WOO’SENTER

Foi com o nascimento dos dois filhos que Margot van Laake, holandesa, decidiu criar a sua própria marca, a WOO’ SENTER.

Um dia decidiu criar umas medalhas em prata com as iniciais dos filhos. Foi o princípio do nascimento do projecto Woo’s Pure Feelings.

Luis Vuitton é o seu ídolo,  em todas as áreas do design.

Quem é a Margot Van Laake?
Margot van Laake é holandesa, mulher, mãe e criadora da marca Woo’s. Vim para Portugal em 1992,  casei com um Português com quem tenho 2 filhos (Raquel de 19 anos e Bernardo de 17). Trabalhei desde 1992 em publicidade como Designer gráfica e criei muitas marcas e grafismos para outras empresas.  O meu sonho era um dia ter  a minha marca. Quando os meus filhos tinham 7 e 9 anos, nasceu a vontade de criar umas medalhas em prata com as iniciais deles e foi o princípio do nascimento do projecto Woo’s pure feelings.  Fiz um curso na Belas Artes (joalharia) e comecei a fazer as medalhas em casa.  Rapidamente  estava a criar medalhas para as amigas e as amigas das amigas. Com as medalhas de letras de R,B,L,M as pessoas perguntaram sempre: Quem são? – Who’s that? em inglês –  e assim nasceu Who’s? = Woo’s.  A assinatura Pure Feelings era para sublinhar os puros sentimentos por trás de cada Medalha.  Assim Nasceu a marca WOO’S Pure Feelings.

Como surge a WOO’ SENTER?
A Woo’s está registrada  desde 2006. Até 2011 trabalhei a marca em “part-time” crescendo devagar e a trabalhar a tempo inteiro na agência de publicidade. Em 2011 encontrei o parceiro certo para seguir o sonho e criei a empresa que ia gerir a marca Woo’s. Sugeri o nome Woo’senter. A central/centro da Woo’s.
O meu sócio é o Pedro Lourenço, dono da empresa António & Pedro Lda, uma oficina de joalharia que dá assistência as ourivesarias e joalharias. Em 2011 a marca foi introduzida em lojas e neste momento encontra-se em mais de 80 pontos de venda em Portugal, Espanha, França e Holanda.

Que materiais utiliza nas suas criações?
Trabalhamos  com ouro, prata e aço. Mas também acrílicos, madeiras e peles.

Que tipos de peças podemos encontrar nas suas coleções?
A marca Woo’s é conhecida pelas medalhas redondas em vários tamanhos e colares grandes. Cada medalha tem uma história a contar e a ideia é juntar várias medalhas a um conector e um fio grande.

Qual é o segmento da WOO’ SENTER ?
O segmento da Woo’s é joalharias mas cada vez mais estamos a entrar em mercados de moda, uma vez que também temos acessórios em pele.

É pensada para que tipo de mulher? Urbana, Clássica…
A mulher Woo’s é uma mulher muito prática, sabe estar na vida e quer mostrar o que tem para dizer, ama a família e quer comunicar sempre. É uma mulher moderna, quer seguir tendências,  principalmente para realçar o próprio estilo. É descontraída, tem classe e tem pinta.

Já aconteceu passar na rua e encontrar alguém a usar as suas peças? Qual é a sensação?
Cada vez mais encontro pessoas com as minhas peças e ainda hoje é a sensação que mais felicidade me traz.

Quando tinha 6 anos de idade o que gostava de ser quando fosse crescida?
Enfermeira.

Costumava fazer criações para as suas bonecas ou amigas, familiares?
Sempre fui muito desenhadora, mas também gostava muito de criar ambientes para brincar. Quando tinha 8 anos, criei um posto CTT, tudo desenhado por mim: envelopes, selos, dinheiro, postais, caixas, senhas., até o balcão desenhei.

Qual a sua formação?
A minha formação é na área de Relações Publicas, Marketing e Publicidade. Fiz cursos na Holanda e quando vim para Portugal tive logo a sorte de trabalhar em publicidade, sem ainda falar uma palavra em português…

Durante a sua carreira, tem tido os apoios necessários para avançar com o projeto?
Os apoios foram principalmente na parte emocional. Diziam-me que a marca tinha pernas para andar, para não ter medo e sentir-me segura no que fazia. Sempre tive o máximo apoio da minha família, e um orgulho enorme. Em termos de financeiro, tive o apoio do meu pai.

É a 2ª participação no LXD. Correu bem a edição 2015? Que mais-valia lhe trouxe?
Correu muitíssimo bem. Principalmente porque, felizmente, muita gente reconheceu a marca… e ouvimos histórias lindas.

Como define o LXD numa frase criativa?
LXD é…um dos caminhos para dar a  conhecer o design em Portugal e marcas nacionais. Mas penso que para  valorizar as marcas e os designers  ainda há muito trabalho a fazer!

Os Jovens designers têm “Palco” em Portugal?
Penso que têm muito potencial. Falta, de vez em quando, o apoio certo e o apoio financeiro.

É fácil para um jovem designer ganhar proximidade junto dos media em Portugal?
Como já não sou jovem, posso dizer que é difícil. É uma questão de sorte e não desistir de bater às portas.

Que mensagem deixa para os jovens designers que ambicionam criar a sua marca?
A minha mensagem é sempre a mesma: Quando se sabe o que se quer e quando se tem o caminho  definido, é só não desistir, um dia chegará lá.

Qual é o seu “ídolo” no mundo do design?

Luis Vuitton,  em todas as áreas.

Se tivesse que impressionar, para ser contratada pelo melhor gabinete de design de moda do mundo, o do seu ídolo, em duas frases o que escreveria?
Eu dizia que ia ser “super”. Iria juntar a minha criatividade a este gabinete de design, abrindo, desta forma, horizontes fantásticos para ambas as partes.

Há horas do dia que fomentam a criatividade?
Normalmente, as ondas de criatividade aparecem espontaneamente. Mas às vezes é necessário criar sessões de criatividade.

Qual a sua fonte de inspiração?
A inspiração vem de mim, vem de ti, dele e dela. Vem de tudo o que nos move.

Qual o designer nacional eou internacional com quem gostariam de privar durante um dia?
Marcel Wanders.

Considera que a mulher portuguesa segue as tendências da moda?
Penso que sim.

Repara na forma como as pessoas se vestem e conjugam os acessórios de moda?
Cada vez mais, as joias passaram  a ser um acessório de moda.

Considera importante que a mulher deva ter vários tipos de peças, que definam estilos destintos, de acordo com a ocasião?
Claro !

Que tipo de joia aconselha a uma mulher urbana que se preocupa com o que usa, de acordo com as situações seguintes:
– Fim-de-semana numa tarefa de compras e passear na rua
– Jantar de negócios
– Jantar com amigos
– no trabalho

Fim-de-semana fazer compras: aconselho poucas joias. Uns brincos pequenos, um colar fino com uma medalhinha com significado.
Jantar de negócios:  depende muito. Se for no mundo financeiro, a joia tem que ser discreta mas com classe, uma pérola, uma pedra em brincos, anel e fio. Se for um jantar de negócios no mundo de glamour/moda ou assim, a joia tem que ter mais glamour,  dar mais nas vistas.
No trabalho: penso que a jóia tem que ser uma peça confortável com que se sinte bem. O nosso local de trabalho é onde passamos mais tempo e onde a mulher tem que se sentir bem, com joias, sem joias ou com 1 ou 2 peças.

A sua participação no LXD vai surpreender quem nos visitar?
Nós surpreendemos sempre quem nos visita, porque adoramos o que fazemos e transmitimos isto nas nossas colecções, não só as novidades mas também a nossa colecção base.

Quer avançar com algumas novidades ou vamos esperar pela surpresa no evento?
Temos algumas novidades que vão ser lançadas em Setembro, mas podemos já mostrar algumas coisas no LXD.

Curiosidades sobre Margot Van Laake

Género musical preferido: R&B. Soul
Género literário preferido: Revistas técnicas
Livro de cabeceira: Bloco e caneta
Nas férias: praia ou campo? Campo e depois praia, gosto de diversidade
Um destino de férias (nacional ou internacional): ainda muitos, Oriente, América do Sul; Férias nacionais: Norte
Pratica alguma atividade física? Ginástica 2x por semana
Qual a sua cor favorita? – As cores naturais, fumee e azul petroleum
Divisão da casa favorita? Nesta casa, a cozinha e varanda
Divisão da casa onde passa mais tempo acordada? Escritório
Prefere trabalhar em casa ou fora de casa? Posso trabalhar em casa, no escritório, nas férias, nos aeroportos
Prato preferido da gastronomia nacional: A cozinha portuguesa é a melhor
Sobremesa preferida da gastronomia nacional: Sobremesa não como
Água, vinho ou cerveja? Vinho, sem dúvida