Cristina Rocha & David Camocho

Investigadores projecto InEDIC

Cristina Rocha & David Camocho - Investigadores projecto InEDIC

Eco-Design na Industria da Cerâmica

A Política Integrada do Produto da União Europeia coloca os produtos e serviços como elementos chave nas acções de implementação para alcançar o Desenvolvimento Sustentável.

Durante o processo de design e desenvolvimento de produtos e serviços, o potencial de prevenção dos impactes ambientais ao longo do ciclo de vida é máximo: estima-se que cerca de 80% dos impactes ambientais de um produto são definidos na fase de desenvolvimento Além disso, as organizações reconhecem que existem outros benefícios substanciais neste processo de integração de considerações na fase de design, que incluem a redução de custos, o encorajamento à inovação, novas oportunidades de negócio e melhoria da qualidade do produto.

O ecodesign é um conceito bem estabelecido entre os especialistas em Portugal e na Europa, mas existe uma falta de conhecimento que suporte a integração sistemática de considerações ambientais no design de produtos em geral, e em particular dos cerâmicos. Apesar da sua importância económica, a indústria cerâmica está a sofrer os efeitos do abrandamento da economia europeia e da concorrência de produtos provenientes de países onde as normas ambientais e sociais são menos exigentes e deficientemente aplicadas. O sector cerâmico necessita de produtos competitivos para sobreviver no mercado e a aplicação do ecodesign suscita boas oportunidades para a inovação e a diferenciação, para além dos benefícios ambientais e das poupanças que acarreta.

O projecto InEDIC – Inovação e EcoDesign na Indústria Cerâmica, coordenado pelo LNEG/UPCS (Laboratório Nacional de Energia e Geologia, Unidade de Produção-Consumo Sustentável), é um projecto financiado pelo Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida da União Europeia, Programa Leonardo da Vinci, Projectos de Transferência de Inovação.

Este projecto tem como objectivo fundamental o desenvolvimento de materiais de formação na área do ecodesign direccionados para o sector cerâmico, de modo a fornecer aos designers, entidades de formação e educação e também às empresas, recursos formativos e ferramentas que possibilitem a integração e aplicação desta estratégia de sustentabilidade no desenvolvimento dos seus produtos.

O InEDIC conta com uma parceria nacional e internacional (Portugal, Espanha e Grécia), totalizando 18 parceiros com experiência reconhecida na área do ecodesign e/ou no sector cerâmico, incluindo centros de investigação, institutos de formação, associações e empresas. Em Portugal são parceiros, para além do LNEG, o Centro Português de Design (CPD), o Centro de Formação Profissional para a Indústria Cerâmica (CENCAL), o Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro (CTCV), a Escola Superior de Arte e Design do Instituto Politécnico de Leiria (ESAD-IPL) e quatro empresas cerâmicas representando diferentes sub-sectores.

Numa fase inicial do projecto fez-se um aturado levantamento de necessidades de recursos e know-how no sector, através de pesquisa bibliográfica e entrevistas a empresas, associação empresarial e instituições de ensino relacionadas com a área da cerâmica e do design e foi possível confirmar a enorme oportunidade deste projecto. Muitas das respostas à questão “porque razão não implementam o ecodesign? “ foram “ falta de conhecimento”, seguidas de “ falta de exigência por parte do cliente”.

Foi particularmente relevante verificar a importância atribuída aos conteúdos formativos relativos ao ecodesign, de modo a orientar a equipa de projecto quanto ao desenvolvimento dos materiais de formação do projecto InEDIC. Os conteúdos considerados mais importantes foram os seguintes:

  • Ferramentas para avaliação do ciclo de vida dos produtos cerâmicos
  • Estratégias de ecodesign para produtos cerâmicos
  • Ferramentas de comunicação para produtos alvo de ecodesign
  • Técnicas de criatividade
  • Informação ambiental sobre as matérias-primas utilizadas na cerâmica
  • Informação ambiental sobre os processos e tecnologias cerâmicas
  • Ferramentas para gerar opções ou medidas de ecodesign
  • Critérios de rotulagem ambiental

Verificou-se que a maioria das empresas tem liberdade para alterar os seus produtos, tem um departamento de design e desenvolvimento e emprega designers, pelo que os designers e responsáveis pelo desenvolvimento do produto constituem o grupo-alvo adequado aos resultados do projecto dentro da indústria. Assim, os materiais de formação desenvolvidos no âmbito do projecto destinam-se a apoiar as empresas e os designers a adoptarem o ecodesign nos seus processos de desenvolvimento de produto de uma forma sistemática. Adoptou-se por uma metodologia de implementação do ecodesign em 8 passos e desenvolveram-se conteúdos sob a forma de capítulos teóricos e ferramentas práticas que suportam tal implementação. Foram também desenvolvidas duas bases de dados, uma de materiais e outra de tecnologias que apoiam as equipas de projecto a fundamentar as suas opções de projecto. Para os formadores, existe também um pequeno guia de apoio a actividades de formação. Todos estes materiais, de distribuição gratuita, vão estar disponíveis para consulta e download no site do projecto.

De modo a testar e avaliar os materiais de formação, estão a ser desenvolvidos projectos de demonstração nos três países (quatro em Portugal, dois em Espanha e quatro na Grécia), numa colaboração entre as equipas de ecodesign dentro das empresas e os parceiros centrais da parceria InEDIC. A metodologia aplicada nestes projectos é baseada em melhores práticas testadas em vários projectos anteriores, aliada ao conceito de formação/acção, tendo em vista uma efectiva transferência de conhecimentos e competências, para que as empresas e os profissionais envolvidos sejam capazes de dar continuidade ao desenvolvimento de projectos de ecodesign, após a conclusão do InEDIC.

O objectivo dos projectos de demonstração é validar os materiais de formação InEDIC. A sua aplicação em situações empresariais fornece um feedback muito valioso sobre a qualidade, adequação e integridade dos materiais desenvolvidos. Permitiu ainda realçar a necessidade de iniciativas deste tipo que promovam a diferenciação positiva dos produtos cerâmicos nacionais, através de melhorias ambientais viáveis do ponto de vista económico e técnico, que contribuam para a competitividade do sector, especialmente nos mercados mais exigentes.

Todos estes resultados serão apresentados na conferência final, a 12 de Outubro no âmbito do LXD, que contará com a presença de dois especialistas de renome internacional na área do design, com uma exposição dos produtos finais do projecto InEDIC e um debate onde a oportunidade e o futuro do ecodesign na cerâmica serão debatidos com todos os participantes.

Cristina Rocha, Investigadora
David Camocho, Bolseiro de Investigação
LNEG/UPCS – entidade coordenadora do projecto InEDIC